Movimentando o Movimento no “Calça”!

Quem passar pelo Calçadão, centro de Viçosa, aos domingos, entre as 20h e 22h, pode sair de lá querendo improvisar rimas de rap e passos de break! É essa a sensação que o Grupo Cultura FreeStyle nos faz sentir quando assistimos às batalhas de MC’s e apresentações de dança de rua realizadas por esse grupo de rappers e b-boys – que tem movimentando o movimento da cultura hip hop no “Calça”, como eles mesmos dizem.

MC’s bastante conhecidos de quem frequenta as casas noturnas de Viçosa fazem parte do Grupo Cultura FreeStyle. Os mais conhecidos talvez sejam os MC’s Shadrak e QuartaLetra, do grupo NV Rap, de Nova Viçosa. B-boys do Grupo Impacto de Dança de Rua, como Rodrigo Branco, também integram o Grupo Cultura FreeStyle – exemplo de ocupação do espaço público de Viçosa. Vale a pena prestigiar o trabalho do grupo, que é inteiramente gratuito. É só chegar!

Grupo Cultura FreeStyle/ Divulgação


Oficina de dança na UFV

Nos dias 24 e 25 de setembro, com o apoio da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura e da Diretoria de Relações Internacionais e Interinstitucionais, o curso da dança da UFV receberá a bailarina Maria Naidu e o coreógrafo Torbjörn Stenberg, ambos suecos, para o oferecimento de oficinas de dança sobre técnica de dança moderna da coreógrafa Jennifer Muller (NY).

A oficina está aberta à comunidade em geral, inscrições na sede do Curso de Dança da UFV. A coordenação é da Profa. Solange Caldeira e do Grupo de Estudos Integrados sobre Dança, Teatro, Dança-Teatro e Tecnologia em Dança.

Informações: calder@ufv.br.

Maria Naidu - Fotos: Tom Caravaglia

MARIA NAIDU estudou na Peridance Center, no Alvin Ailey American Dance Center em NYC e na Balettakademien em Gotemburgo. Dançou nas companhias de Jennifer Muller/THE WORKS (NYC), Martita Kingsley-Goshen’s/EARTHWORKS (NYC), The Wendy Osserman Dance Company (NYC), The American Dance Ensemble (NYC) e Tsai Fung Modern-Chinese Dance Company (NYC). Colaborou com coreógrafos independentes, como Martin Butler e Uri Ivgi, e foi artista convidada na Tanzcompanie Giessen (dir. Roberto Galvan) e Norrdans (SE). É professora da Técnica Muller, e diretora de ensaio na Companhia Nacional de Dança Contemporânea da Noruega/Carte Blanche. Maria Naidu é ainda membro fundador da cooperativa de coreógrafos “RÖRELSEN”, na Suécia.

Torbjörn Stenberg - Foto: Tom Caravaglia

TORBJÖRN STENBERG é bailarino formado pela The Juilliard School em Nova York. Estudou ainda nas escolas The Cunningham School, The Paul Taylor School, e na The School of American Ballet, com o prof. David Howard. Como dançarino integrou as cias de Ohad Naharin (Israel) e Mark Morris (USA). Coreografou várias óperas barrocas, musicais e produções teatrais, com atuação em: Estados Unidos, Holanda, Bélgica, Sibéria, França, Taiwan, Hong-Kong, Finlândia, Czechoslovakia, Noruega, Itália, Dinamarca e Brasil.

Fonte: Solange Caldeira

 


Mostra Independente de Dança (MID)

Daniel B.

Atenção, galera! As inscrições para participar da 2ª Mostra Independente de Música (MID), organizada pelos graduandos do curso de dança da UFV, terminam hoje. Portanto, corram pra não ficarem fora desse importante festival, que tem como mote reunir artistas da cena independente.


MiD – Segunda Mostra Independente de Dança de Viçosa

Guilherme Antônio

Bom dia, leitores do Blog Coletivo 103! E também há quanto tempo não é?! Rsrs, pois bem, por motivos de força maior estive ausente na semana passada, mas como tudo passa e a semana também. Como diriam os velhos portugueses “cá estóis de volta a labuta!”

Hoje irei tratar de um assunto que foi passado por alto aqui no coletivo, ou melhor, foi apenas divulgado. Que assunto é esse? Envolvendo palco e performance, certamente é a Segunda Mostra Independente de Dança de Viçosa ou simplesmente abreviando II MID.

Mas o que é o MID?

O MiD propõe a produção independente dos estudantes de arte, apreciadores, exploradores e amantes ousados. É um espaço de estudo, trocas de experiências e divulgação dos trabalhos, sobretudo a auto-gestão – iluminação, cenografia, sonoplastia, figurino, maquiagem, improvisações, produção, divulgação, criação.

O MiD será realizado nos dias 26 e 27 de agosto. Em cada dia haverá duas horas de apresentação, seguidas de um espaço de discussão para os intérpretes e espectadores que queiram comentar as obras. No dia 26, as apresentações acontecerão na Estaçãozinha Cultural da cidade, já no dia 27, no estúdio da Sede do curso de Dança. Estarão disponíveis as fotos dos espaços no blog do MiD.

E não acabam por aqui, senhoras e senhores. O Coletivo 103, por apoiar a difusão da cultura em Viçosa não podia ficar de fora dessa e será representado no evento por mim e o aluno do curso de Agronomia da UFV Raphael Toth Lender com o espetáculo, Expressão em Movimento. Ai vai uma rápida sinopse para deixá-los curiosos: O mini espetáculo expressão em movimento com a duração entre 4,5 a 6 minutos, visa mostrar ao publico um jogo de expressão corporal onde os atores irão executar passos de dança relacionados a dança de rua (break) e passos circenses incluindo malabaris e clown.

Então já sabem, não é? Nos dias 26 e 27 de agosto apresentem-se para prestigiar o II MID!

Coletivo 103 por mais cultura em Viçosa!


O Tango

Guilherme Antônio

Bom dia caros leitores do Coletivo 103, hoje continuaremos com a temática dança aqui na coluna Palco.

E para continuar passarei informações a respeito do Tango, uma dança oriunda da America do Sul criada por nossos “hermanitos” argentinos!

Muy bien señoras e señores! Abaixo vai o texto informativo, tango, retirado do Wikipédia.org e o link do youtube de uma pequena apresentação dos dançarinos Deborah Quiroga e Carlos Barrionuevo no mundial de tango em Buenos Aires-2006.

Eu sou Guilherme Antônio e me despeço de vocês. Tenham uma ótima quarta feira e um bom resto de semana e quarta que vem se Deus quiser nos vemos aqui na coluna Palco do Coletivo 103.

COLETIVO 103! POR MAIS CULTURA EM VIÇOSA!

Tango

O tango é um tipo musical e uma dança a par. Tem forma musical binária e compasso de dois por quatro. A coreografia é complexa e as habilidades dos bailarinos são celebradas pelos aficionados. Segundo Discépolo, “o tango é um pensamento triste que se pode dançar”.

Origem da música

Sua origem encontra-se na área de Rio da Prata, na América do Sul, nas cidade de  Buenos Aires e Montevidéu.

A música do tango não tem uma origem muito clara. De acordo com estudos que não dispõem de numerosa documentação, o tango descenderia da habanera e se interpretava nos  prostibulos de Buenos Aires e Montevidéu, nas duas últimas décadas do século XIX, com  violino, flauta e guitarra (violão). Nessa época inicial era dançado por dois homens, daí o fato dos rosto virados, sem se fitar. Depois, já nos anos

1910, como o sucesso em Paris foi aceito pela aristocracia platina.

O escritor e polemista argentino Jorge Luis Borges afirmou que por suas características o tango só poderia ter nascido em Montevidéu ou Buenos Aires. O bandonéon, que atualmente caracteriza o tango, chegou à região do Rio da Prata por volta do ano 1900, nas maletas de imigrantes alemães. Não existem muitas partituras da época, pois os músicos de tango não sabiam escrever a música e provavelmente interpretavam sobre a base de melodias já existentes, tanto de habaneras como de polcas.

 Características

O Tango mescla o drama, a paixão, a sexualidade, a agressividade, é sempre e totalmente triste. Como dança é “duro”, masculino, sem meneios femininos, a mulher é sempre submissa. O ritmo é sincopado, tem um compasso binário. A síncope é de uma nota tocada no tempo fraco que se prolonga até um tempo forte, o que movimenta a música e desloca acentuação do ritmo.


Dança

Guilherme Antônio

Boa noite Leitores do Coletivo 103, dia 25 de maio de 2011, semana de clima desértico em viçosa, muito calor ao dia e a noite um frio de matar. Mas é em bom tom de descontração que venho hoje a vocês falar um pouquinho da dança. Sim dança! Pois afinal ela também se encaixa nos palcos… hehe Continuarei com os conceitos e nas próximas duas semanas irei falar do Break dance e do tango vertentes completamente diferentes entre si. então pessoal, sou Guilherme Antônio por hoje é só, fiquem com o conceito de o que é dança logo abaixo, uma ótima semana a todos. E vocês já sabem! Quarta feira que vem temos um encontro marcado aqui na coluna palco!

A dança

A dança é uma das três principais artes cênicas da antiguidade, ao lado do teatro e da música. No antigo Egito já se realizavam as chamadas danças astro teológicas em homenagem ao Deus Osíris. O caráter religioso foi comum às danças clássicas dos povos asiáticos. Na Grécia Clássica, a dança era freqüentemente vinculada os jogos, em especial aos olímpicos. A dança se caracteriza pelo uso do corpo seguindo movimentos previamente estabelecidos (coreografia) ou improvisados (dança livre). Na maior parte dos casos, a dança, com passos cadenciados é acompanhada ao som e compasso de música e envolve a expressão de sentimentos potenciados por ela. A dança pode existir como manifestação artística ou como forma de divertimento e/ou cerimônia. Como arte, a dança se expressa através dos signos de movimento, com ou sem ligação musical, para um determinado público, que ao longo do tempo foi se desvinculado das particularidades do teatro. Atualmente, a dança se manifesta nas ruas em eventos como “Dança em Trânsito”, sob a forma de vídeo, no chamado “vídeodança”, e em qualquer outro ambiente em que for contextualizado o propósito artístico.

História da dança

A história da dança cênica representa uma mudança de significação dos propósitos artísticos através do tempo. Com o Balé Clássico, as narrativas e ambientes ilusórios é que guiavam a cena. Com as transformações sociais da época moderna, começou-se a questionar certos virtuosismos presentes no balé e começaram a aparecer diferentes movimentos de Dança Moderna. É importante notar que nesse momento, o contexto social inferia muito nas realizações artísticas, fazendo com que então a Dança Moderna Americana acabasse por se tornar bem diferente da Dança Moderna Européia, mesmo que tendo alguns elementos em comum. A dança contemporânea como nova manifestação artística, sofrendo influências tanto de todos os movimentos passados, como das novas possibilidades tecnológicas (vídeo, instalações). Foi essa também muito influenciada pelas novas condições sociais – individualismo crescente, urbanização, propagação e importâncias da mídia, fazendo surgir novas propostas de arte, provocando também fusões com outras áreas artísticas como o teatro por exemplo.