2012 – o ano da #ruptura!

Por Daniel Froes

Iniciar um texto dedicando boas festas e um ótimo 2012 a todos que acompanharam nosso trabalho durante os últimos quatro meses poderia ser bastante simples – bastaria copiarmos um desses votos que chegam a nossa caixa de e-mail nesta época, postarmos por aqui e pronto. Mas, não, inspirados por #ideiasperigosas, resolvemos quebrar a corrente e enveredar por outro caminho, menos sombrio do que possa parecer, acreditem. 

Afinal, parece que 2012 será nosso último ano por estas bandas, não é mesmo? Pelo menos, é o que garante o calendário de conta longa Maia. Após inúmeras #conversasinfinitas, os maias concluíram que a festa por aqui tem data certa para terminar: 21 de dezembro de 2012 – sem direito a “biquinho” de quero mais. É justo elaborarmos votos diferentes, ainda que trazidos a galope por um dos cavaleiros apocalípticos do Todo-Poderoso – sim, é um risco que corremos, de acordo com os escritos bíblicos! Mas de que mundo falava esse fantástico povo pré-colombiano? Será o mundo físico que nos rodeia, que sentimos e vemos? Não, o apocalipse que está por vir não é físico; é comportamental! Longe disso, o mundo que sucumbirá é o mundo do individualismo material e de outras atitudes que já não cabem mais no século 21 – o #séculodasredes, das pessoas #glocais, do #pós-rancor, da #pós-universidade, da #internetpratodos, do #empirismo, dos #coletivos, da #transparênciapública, das #marchas, do #respeitoàdiversidade, do #pós-partido… Em 2012, a juventude dará seguimento a esse processo de resignificação e explosão de estruturas arcaicas iniciado há seis anos “fora do eixo”. Os longos anos de letargia em que estivemos mergulhados estão se esgotando.

Como diria Cláudio Prado, teórico da contracultura e ativista digital, a quem damos as mãos, o Planeta está “grávido” de outro mundo: sim, a data de seu nascimento pode ser o tal 21 de dezembro de 2012.  Por este lado, a catástrofe parece não ser absolutamente ruim, não é mesmo?! É até excitante! O novo está por vir e isso é motivo de felicidade; não de lágrimas. Entretanto, mais do que assistir, passivamente, ao fim deste mundo, devemos ser os próprios agentes de sua destruição. Através do caos, estabeleceremos uma nova ordem, mais horizontal e “parda”. Devemos nos preparar para 2012 – o ano da #ruptura! Sem dúvida, uma nova realidade ganhará forma, cor e poesia. Prepare-se. Boas festas, feliz ano novo e um delicioso fim do mundo! =)


O Coletivo 103 no IV Congresso Fora do Eixo

Por Vívian Andaki

Primeiro Encontro da Regional Minas - Parque do Ibirapuera

Partimos de Viçosa no dia 11 à noite. Foram longas 10 horas de viagem até São Paulo. Chegando lá não tivemos tempo para descansar, pois a abertura oficial do congresso iria acontecer no Auditório Ibirapuera. Chegando ao parque, a surpresa já foi grande. Para muitos de nós esse era o primeiro contato com toda a atmosfera do Fora do Eixo – FdE. Não era uma conversa com um agente FdE e sim o encontro de agentes de todo o Brasil, e também de outros países da América Latina.

O clima era bom, o sol brilhava. Logo estavam todos reunidos pelos gramados do parque. Rodas de conversa brotavam em todos os lugares, eram reuniões das regionais, de frentes como palco, música, artes visuais. Havia espaço para todos, até mesmo para aqueles que estavam participando para descobrir o que é o Fora do Eixo.

Nós, que somos um Coletivo com menos de um ano de duração, já éramos vistos como experientes para uma galera que ainda não sabia como começar. Infelizmente não há “receita de bolo” para uma ação como esta dar certo, mas temos certeza que ter força de vontade já é um ótimo início.

Discussão com Ale Youssef, Daniel Ganjaman e Cláudio Prado

Nos demais dias, as atividades foram realizadas no Paço das Artes, na Universidade São Paulo. Foi um congresso diferente de tudo que nós conhecíamos. O formato de não-grade dava liberdade para a inclusão de assuntos importantes a qualquer momento. A organização era totalmente aberta a sugestões. Bastava circular pelas rodas e se deparar com discussões sobre Música, Teatro, Dança, Letras, Cinema, Sustentabilidade, Economia Solidária, Partido da Cultura, Selo Colaborativo, Liberdade de Imprensa, entre outros. Também foi realizado o Seminário da Música Brasileira durante três dias.

Durante o Congresso o grande problema era: o que priorizar? Eram tantas discussões interessantes ao mesmo tempo que ficava difícil escolher. O jeito era aproveitar o melhor possível, circular, trocar idéias. Quem dera poder ser desdobrar e participar de tudo!

Esses oito dias em São Paulo fizeram com que nós do 103 amadurecêssemos várias ideias, as quais já estão sendo detalhadas em nosso planejamento 2012. Pudemos ter um contato profundo com os valores do Fora do Eixo e ficou mais claro que o circuito é muito mais que uma plataforma de circulação de cultura. É aprendizado, é amadurecimento é trabalho coletivo em prol de tudo aquilo que a gente acredita!

Intervenção no Paço das Artes

P.S.: Também rolou um curso Básico de Aproveitamento de Água de Chuva e Montagem de uma Minicisterna, realizado na Casa Fora do Eixo São Paulo, resultado da parceria do Nós Ambiente e o  Sempre Sustentável.


IV Congresso Fora do Eixo – São Paulo (SP)

Pensado para ampliar o debate sobre o atual momento da cultura, extrapolando os limites da Rede , e entendê-la como uma nova plataforma de ação social e fazer político, o Congresso Fora do Eixo chega a sua 4 edição. Desta vez o maior encontro de coletivos culturais do País será  realizado em São Paulo (SP), de 11 a 18 de dezembro, no Paço das Artes, na USP.  A abertura oficial está programada para o dia 12, no Auditório do Ibirapuera, com o início das atividades agendado para o dia 13. Paralelo ao Congresso, também teremos o Festival Fora do Eixo SP 2011, que terá 40 apresentações musicais, além de artes visuais, teatro, entre várias outras linguagens, tomando os palcos da Casa Fora do Eixo, Studio SP e outros espaços e casas da capital paulistana. Acesse a página oficial do IV Congresso Fora do Eixo e faça a sua inscrição!