O primeiro de muitos – Grito Rock Viçosa 2012

Público no Flor e Cultura Bar

Dia 10 de março de 2012 vai entrar para a história de Viçosa. O que se pode dizer de um evento que reuniu as bandas O’Zimpatas (Viçosa), Vandaluz (Patos de Minas) e Djambê (Belo Horizonte), apresentação da Cia. de teatro Elos Quentes, #VaraldaArte e muita gente bonita no Flor e Cultura Bar? Para o Ygor Sas, o Grito foi intenso, inteiro e completo. Concordo totalmente e ainda acrescento DIFERENTE.

Não se trata apenas de ser uma edição do maior festival integrado da América Latina. O Grito é muito mais! Para começar, foi construído coletivamente por uma galera que arregaça as mangas e está disposta a trazer novas opções para a cidade e abrir portas para novos artistas! Não apenas músicos, mas a galera do palco, das letras, das artes visuais, todo mundo tem espaço.

Somos também conscientes. Vocês notaram que praticamente não utilizamos cartazes? Pois é, Viçosa já está bem poluída visualmente, vocês não acham? Além disso, evitamos o uso desnecessário de papel. Também promovemos as campanhas #Levesuacaneca e #vamosjuntos. Outra ação da frente NósAmbiente foi a distribuição de bituqueiras dentro do Flor e Cultura.

E o preço? Não precisamos de lotes diferenciados, nem convite feminino e masculino. Aqui todo mundo é igual!

Quem não foi ao Grito pode conferir nossa cobertura do que acontecia por lá pelo Facebook e Twitter! A cobertura fotográfica e audiovisual ficou a cargo de Roberta Monteiro, Yuri Azevedo e Juliana Soar. Mesmo de longe, todo mundo acompanhou!

As atrações:

O’Zimpatas: Os primeiros a subirem ao palco, agitaram a galera. Apesar do pouco tempo de banda, uma coisa é fato, esses meninos precisam gravar logo! Depois de um show empolgante, fica a vontade de ouvir as músicas em casa também.

Vandaluz: Se com o Vane, vocalista, usando muletas o show já foi ótimo, imagina com esses caras em plena forma? O Vandaluz veio pela segunda vez a Viçosa e mostrou que já cativou o público daqui. O show de Viçosa foi um dos oito que fazem parte da turnê da banda pelas edições do Grito Rock deste ano.

Djambê: apresentando o repertório do álbum lançado em outubro de 2011, trouxeram seu som consciente para o Grito e empolgaram a galera utilizando em seu set de percussão e bateria instrumentos materiais reciclados.

#VaraldaArte: A exposição de poesias e contos de autores de vários cantos do país trouxe um clima diferente para o Grito e despertaram bastante curiosidade do público.

Fica, vai ter bolo: a apresentação da Cia. ElosQuentes surpreendeu o público e trouxe mais encanto para a noite.

Vandaluz no Palco

Confira parte da cobertura no Flickr da Roberta Monteiro!

Nossos agradecimentos a todos que compareceram e participaram da construção do Grito Rock, e que esse seja o primeiro de muitos!

A primeira edição do Grito Rock – Viçosa foi uma promoção do Coletivo 103 e Fora do Eixo, com o apoio de Posto da Esfiha, Suprimentos, MaxMotos e Pró-Reitoria de Extensão e Cultura.


Inscrições para Grito Rock Viçosa!

O Coletivo 103 selecionará 3 bandas para se apresentarem na primeira edição do Grito Rock em Viçosa! São duas bandas locais e uma nacional, com direito a hospedagem, alimentação e transporte. Os interessados devem ter perfil na plataforma TnB e acessar aqui.

O Grito Rock é o maior festival integrado da América Latina, sendo realizado no período de 17 de fevereiro a 17 de março, integrando mais de 200 cidades. O Festival foi idealizado pelo coletivo Espaço Cubo no ano de 2003, em Cuiabá (MT), como uma alternativa ao carnaval tradicional. Entretanto, a partir da atuação do Circuito Fora do Eixo, o projeto se ampliou geográfica e conceitualmente, envolvendo produtores de todo o país. No ano passado, o Grito Rock aconteceu em mais de 130 cidades, movimentando 2 mil bandas e aproximadamente 200 mil expectadores. Além do Brasil, países como Argentina, Uruguai, Bolívia, Chile, Panamá e Honduras realizaram o Festival.

As inscrições estão abertas até o dia 17 de fevereiro de 2012.


O que fazer em 2012? Parte 3

Por Vívian Andaki

Este texto é a continuação deste artigo aqui.

Tema 3: Você libera suas músicas para download?

Eu pensava que todo mundo concordava que o download gratuito de músicas é um caminho que não tem mais volta, entretanto, notei que várias bandas ainda não concordam com essa iniciativa! O fato é, se a banda não libera para download, é muito provável que a primeira pessoa que obter o trabalho físico se encarregue de resolver esse problema.

Se você mesmo não disponibiliza um link de download, como ter controle da quantidade de vezes que seu material foi baixado? Se você não tem um link oficial, é maior a chance de pipocarem links com o mesmo arquivo pela internet, aí você nunca vai saber quantas vezes seu arquivo foi baixado, perdendo um ótimo indicador de popularidade!

Outro ponto, disponibilizar um álbum ou EP para download gratuito pode não servir para arrecadar grana, mas a banda pode ganhar vantagem em outros pontos, como tornar-se mais próxima de seus fãs! Que tal descobrir de onde eles são e depois aproveitar essa informação para enviar um e-mail avisando quando será o próximo show na cidade? Afinal se a galera que curte o seu trabalho for ao show, você pode aproveitar para vender merchandising ou até mesmo o cd que ele acabou de baixar. Nada como ter um bom mailing list nessas horas!

Você também pode utilizar algumas ferramentas como o Pay With a Tweet (http://www.paywithatweet.com/) para criar uma maré de divulgação. Quanto mais pessoas baixarem, mais o seu trabalho será divulgado.


O que fazer em 2012? Parte 2

Por Vívian Andaki

Este texto é a continuação deste artigo aqui.

Tema 2:  Quais plataformas você utiliza?

Pronto, você já tem o material para divulgar, mas qual canal utilizar? Essa dúvida é cruel, pois são inúmeras opções: Bandcamp, Soundcloud, Toque No Brasil, Reverbnation, além das redes sociais como Facebook, Twitter, etc.

Há quem diga ser necessário ter perfil em todas as plataformas possíveis, pois aumenta as chances do seu trabalho ser identificado. Outros aconselham a concentração em uma ou duas, pois dessa maneira fica mais fácil administrar os conteúdos. Eu apoio a opção dois, pois administrar várias plataformas consome muito tempo. A chance de você deixar algum canal desatualizado é enorme! Se você se concentra em menos ferramentas, fica mais fácil trabalhar o conteúdo e principalmente, acompanhar os resultados, como número de visitas, faixas favoritadas, etc.

São inúmeras ferramentas, vou comentar um pouco sobre as três mais indicadas, pelo o que eu tenho escutado por aí.

Toque No Brasil: Plataforma nacional, bastante customizável. Você pode incluir fotos, vídeos, músicas, Like do Facebook, Feed de Twitter, mural, entre outros. Cada banda deve incluir também informações técnicas no cadastro, como rider, mapa de palco, entre outros, facilitando bastante o trabalho dos produtores que estão garimpando bandas para eventos! Além disso, tendo um perfil no TnB, cada banda pode se candidatar a diversas oportunidades de shows, festivais, entre outros. Conheça um exemplo de perfil aqui.

Bandcamp: Tem um visual simples e customizável. Indicado para a galera que já finalizou algum trabalho, como lançamento de álbum ou EP. É possível configurar vários formatos de download para músicas, estabelecer valor por faixa ou por álbum, ou até mesmo que cada fã decida o valor a ser pago para download (Radiohead feelings). Uma opção interessante é pedir o e-mail e cidade de origem para liberar o download! Achei legal que há bandas que disponibilizam o download gratuito em um formato e cobram por outro de melhor qualidade! Desse jeito todo mundo fica feliz. O bandcamp também oferece relatórios legais citando as músicas com mais download, mais ouvidas, etc. Confira um exemplo de perfil aqui.

Soundcloud: a opinião mais recorrente é que o Soundcloud é indicado quando você ainda não finalizou o seu trabalho… tipo, você está gravando ainda, ele é uma boa para obter feedback do trabalho que você está construído. Ele tem uma ferramenta legal de permitir comentários em momentos exatos da música, isto é, a pessoa sinaliza um instante da canção e inclui o seu comentário sobre aquela parte. Você pode upar até 120 minutos de música no perfil gratuito, independentemente do tamanho do arquivo. Ultimamente algumas bandas tem disponibilizado álbuns completos por ele também, como o Foo Fighters que liberou o Wasting Lights por lá.

Aé, tem um pessoal que usa o Reverbnation também, mas eu acho o visual hiper poluído, lá tem opção demais.

Notei que algumas bandas mantêm blogs em paralelo. Eu também gosto disso, pois um blog serve para os fãs acompanharem o dia a dia da banda, como anda a turnê, o processo de gravação… Mas é importante ter conteúdo atualizado! Ou seja, se a sua banda não anda fazendo nada, não crie um blog! Quanto ao Twitter, não precisa falar apenas da banda, é legal ter mensagens sobre outros assuntos, coisas interessantes! Mas é necessário ser presente, já que a evolução da timeline é bem rápida. Quanto ao Facebook, o ideal é ter fanpage, não perfil!


O que fazer em 2012? Parte 1

Por Vívian Andaki

Pois é, 2012 chegou bem mais rápido do que a gente pensava. Início do ano é sempre assim, hora de pensar no futuro, de planejar o que queremos da vida! Esse texto é dedicado à galera que tem banda e enfrenta os “corres” dessa vida de músico.

Deixo claro aqui que vou expor meu ponto de vista e não o do Coletivo 103. Além disso, quanto a música, sou apenas ouvinte, nunca fiz parte de banda. Enfim, depois dessas duas frases você deve achar que eu não tenho moral nenhuma para falar desse assunto, mas encare isso apenas como os apontamentos de uma menina que tem uma fascinação por essa vida (talvez por não ter nenhum talento para fazer parte de uma banda), que tenta acompanhar os corres da galera underground, que lê, que escuta muita coisa! Algumas questões podem até parecer óbvias, mas muitas bandas ainda deixam a desejar.

Vou iniciar uma série de postagens, uma por dia, cada vez tratando de um assunto, ok? Tenho em mente falar de divulgação, plataformas para disponibilizar conteúdo, download de músicas, circulação, cachê e outros assuntos que podem surgir durante a semana!

Vamos ao primeiro tema: Quem, além da sua mãe, conhece sua banda?

Tá, você já ensaiou, compôs, tem músicas bacanas. Mas e o material de divulgação? Afinal ninguém vai adivinhar que você faz um som super foda! Uma vez procurava no Google por informações de uma banda e não consegui achar sequer o nome de todos os componentes. Sim, tem banda que não tem nem o finado Myspace! Não acho necessário pagar para criar um site próprio ou um fotógrafo profissional para ter fotos bacanas, dá para a própria banda fazer muita coisa e com boa qualidade! O mínimo necessário é um release bem escrito, algumas fotos legais e a gravação das músicas! Nessas horas é bom contar com os amigos, sempre tem aquele com um talento para a escrita ou que tira fotos legais! Tendo isso, já rola de montar um presskit bacana!

Esse foi só o começo, amanhã vou falar das plataformas Toque no Brasil, Bandcamp e Soundcloud!